É uma linda história de povoado

De um povoado no centro do mundo.

Tudo iniciou com um apelido “Braida”, que o avôGiuseppe Bologna recebeu nas praças e pátios de igreja brincando de futebol elástico aos domingos, esporte típico piemontês.Giacomo Bologna herdou do pai a vinícola e o apelido, mas sobretudo o amor incondicionado pela terra e pelo vinho.

 

A coragem da juventude,

que tem os pés bem firmes na tradição dos vinhedos autóctones como a Barbera na sua versão típica “petillant” La Monella, tradicional Montebruna, Moscatel, Brachetto e Grignolino, os leva a confrontar-se também com vinhedos que estão reformando o gosto do mercado internacional: assim merlot, pinot noir e cabernet entram nos vinhedos e nas cantinas dos Braida com “Il Bacialè”.!

Giacomo ousou transformar a Barbera

e afiná-la nas barricas francesas, prática desconhecida aos demais na Itália e agora muito utilizada. OBricco dell’Uccellone, vinho símbolo da empresa, tornou-se uma das bandeiras do beber italiano no mundo. De 1961 até hoje a empresa Braida é a imagem ampliada e fiel da filosofia deGiacomo e Anna, de seu modo de entender a vida, a terra, o vinho e o relacionamento com os amigos.
Raffaella e Giuseppe Bologna, ambos enólogos, compõem a terceira geração “Braida” e são unidos antes de tudo pelo sonho, que hoje é realidade, cultivado com entusiasmo, de fazer a Barbera prosseguir a conquista do status de nobreza e qualidade, que para alguém poderia parecer reservado somente aos vinhedos de linhagem mais xenófila.

O Bricco dell’Uccellone, símbolo de empresa de vinhos, tornou-se uma das bandeiras da beber italiano no mundo.”